Cecília Meireles

Brasil
7 Nov 1901 // 9 Nov 1964
Poeta/Escritora

40 Poemas

>>

Recado aos Amigos Distantes (1)

Meus companheiros amados,/ não vos espero nem chamo:/ porque vou para outros lados./ Mas é certo que vos amo./ / Nem sempre os que estão mais perto/ fazem melhor companhia./ Mesmo com sol encoberto,...

Não te Fies do Tempo nem da Eternidade (2)

Não te fies do tempo nem da eternidade/ que as nuvens me puxam pelos vestidos,/ que os ventos me arrastam contra o meu desejo./ Apressa-te, amor, que amanhã eu morro,/ que amanhã morro e não te vejo!...

Lua Adversa (3)

Tenho fases, como a lua,/ Fases de andar escondida,/ fases de vir para a rua... / Perdição da minha vida!/ Perdição da vida minha!/ Tenho fases de ser tua, / tenho outras de ser sozinha./ / Fases que...

De Longe Te Hei-de Amar (4)

De longe te hei-de amar/ - da tranquila distância/ em que o amor é saudade/ e o desejo, constância./ / Do divino lugar/ onde o bem da existência/ é ser eternidade/ e parecer ausência./ / Quem precisa...

De Que São Feitos os Dias? (5)

De que são feitos os dias?/ - De pequenos desejos,/ vagarosas saudades,/ silenciosas lembranças./ / Entre mágoas sombrias,/ momentâneos lampejos:/ vagas felicidades,/ inactuais esperanças./ / De louc...

Personagem (6)

Teu nome é quase indiferente/ e nem teu rosto já me inquieta./ A arte de amar é exatamente/ a de ser poeta./ / Para pensar em ti, me basta/ o próprio amor que por ti sinto:/ és a ideia, serena e cast...

Personagem (7)

Teu nome é quase indiferente/ e nem teu rosto já me inquieta./ A arte de amar é exactamente/ a de se ser poeta./ / Para pensar em ti, me basta/ o próprio amor que por ti sinto:/ és a ideia, serena e ...

Como se Morre de Velhice (8)

Como se morre de velhice/ ou de acidente ou de doença,/ morro, Senhor, de indiferença./ / Da indiferença deste mundo/ onde o que se sente e se pensa/ não tem eco, na ausência imensa./ / Na ausência,...

Canção do Amor-Perfeito (9)

Eu vi o raio de sol/ beijar o outono./ Eu vi na mão dos adeuses/ o anel de ouro./ Não quero dizer o dia./ Não posso dizer o dono./ / Eu vi bandeiras abertas/ sobre o mar largo/ e ouvi cantar as serei...

Romantismo (10)

Quem tivesse um amor, nesta noite de lua,/ para pensar um belo pensamento/ e pousá-lo no vento!/ / Quem tivesse um amor - longe, certo e impossível -/ para se ver chorando, e gostar de chorar,/ e ado...

Se te Abaixasses, Montanha (11)

Se te abaixasses, montanha,/ poderia ver a mão/ daquele que não me fala/ e a quem meus suspiros vão./ / Se te abaixasses, montanha,/ poderia ver a face/ daquele que se soubesse/ deste amor talvez cho...

Retrato de Mulher Triste (12)

Vestiu-se para um baile que não há./ Sentou-se com suas últimas jóias./ E olha para o lado, imóvel./ / Está vendo os salões que se acabaram,/ embala-se em valsas que não dançou,/ levemente sorri para...

O Que Amamos Está Sempre Longe de Nós (13)

O que amamos está sempre longe de nós:/ e longe mesmo do que amamos - que não sabe/ de onde vem, aonde vai nosso impulso de amor./ / O que amamos está como a flor na semente,/ entendido com medo e in...

A Velhice Pede Desculpas (14)

Tão velho estou como árvore no inverno,/ vulcão sufocado, pássaro sonolento./ Tão velho estou, de pálpebras baixas,/ acostumado apenas ao som das músicas,/ à forma das letras./ / Fere-me a luz das lâ...

Criança (15)

Cabecinha boa de menino triste,/ de menino triste que sofre sozinho,/ que sozinho sofre, — e resiste,/ / Cabecinha boa de menino ausente,/ que de sofrer tanto se fez pensativo,/ e não sabe mais o que...

O Tempo Seca o Amor (16)

O tempo seca a beleza,/ seca o amor, seca as palavras./ Deixa tudo solto, leve,/ desunido para sempre/ como as areias nas águas./ / O tempo seca a saudade,/ seca as lembranças e as lágrimas./ Deixa a...

Pergunto-te Onde se Acha a Minha Vida (17)

Pergunto-te onde se acha a minha vida./ Em que dia fui eu. Que hora existiu formada/ de uma verdade minha bem possuída./ / Vão-se as minhas perguntas aos depósitos do nada./ / E a quem é que pergunto...

Sem Corpo Nenhum (18)

Sem corpo nenhum, / como te hei de amar?/ — Minha alma, minha alma,/ tu mesma escolheste/ esse doce mal!/ / Sem palavra alguma,/ como o hei de saber?/ — Minha alma, minha alma,/ tu mesma desejas/ o...

Ninguém me Venha Dar Vida (19)

Ninguém me venha dar vida,/ que estou morrendo de amor,/ que estou feliz de morrer,/ que não tenho mal nem dor,/ que estou de sonho ferida,/ que não me quero curar,/ que estou deixando de ser/ e não ...

Sugestão (20)

Sede assim — qualquer coisa/ serena, isenta, fiel./ / Flor que se cumpre,/ sem pergunta./ / Onda que se esforça,/ por exercício desinteressado./ / Lua que envolve igualmente/ os noivos abraçados/ e o...
>>

Facebook

O Salão Literário

Não tenho qualquer salão literário. Essa é uma das lendas que inventaram a meu respeito, não sei porquê. As pessoas, aqui em Portugal, estão sedentas de acontecimentos. E, muito simplesmente, resolve...

Preciso de Ti para Ser Eu

Ser quem sou passa por ser capaz de criar ligações ao outro, com o outro e para o outro. Só há pessoas porque há relações. A minha existência é constituída pelos caminhos que sonho, construo e percor...
Inspirações

Fazer com Alegria

© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE